domingo, 30 de novembro de 2008

Câmbio final. Desligo.

O blog de emergência do DIARINHO foi desativado hoje. Queremos agradecer a todos que ajudaram a fazê-lo e principalmente a todos que o utilizaram como fonte de informação. A vida do jornal e de seus jornalistas está voltando ao ritmo normal e a emergência cessou. Precisamos concentrar-nos em fazer o jornal e prestar os serviços com os quais nossos leitores se habituaram a contar, ao longo de 30 anos.

Àqueles que gostaram dessa fugaz experiência de jornalismo online, devemos dizer que, com certeza, o sucesso do blog vai influenciar a forma como o DIARINHO utilizará a internet a partir de agora.

A título de manter um registro, uma memória da experiência, preparamos um breve relato do que aconteceu, desde o primeiro minuto.

E O DIARINHO FEZ UM BLOG!


Na manhã da segunda-feira passada (dia 24/11), quando boa parte dos exemplares do DIARINHO ficaram retidos nas estradas intransitáveis e as casas de muitos dos colegas estavam sendo invadidas pelas águas que, depois de causar destruição e morte vale acima, estavam chegando ao estuário do Itajaí-Açu, ficamos diante de um dilema.

Mais que nunca era preciso informar. E como em poucas ocasiões anteriores, isso parecia tão difícil, quase impossível. A sede do jornal, sem luz e sem internet, estava ameaçada de também ser invadida pela água. O pessoal não tinha mais como se movimentar na cidade. Dois repórteres, que tinham ido cobrir os Jogos Abertos, estavam ilhados em Timbó.

Aí, os poucos que tinham internet e luz em casa trocaram idéias pelo MSN e em pouco tempo se decidiu utilizar a saída mais rápida fácil e barata disponível: um blog. O DIARINHO nunca foi de fugir da briga e não seria desta vez que ficaria quieto, num canto, com água pelo pescoço.

Este nosso DIARINHO na Chuva foi criado, então, justamente como uma escotilha de emergência. Uma alternativa para manter contato com os leitores (pelo menos com aqueles que ainda estavam conectados). Havia, além das demais dificuldades naturais da situação em que a cidade e todos nós nos encontrávamos, o fato de nunca termos experimentado fazer jornalismo online. Ou de tempo real, como também é chamado. O que existe do DIARINHO na internet é um site estático, onde a edição impressa é reproduzida, uma vez por dia.

Mas nem tomamos conhecimento desses obstáculos e o blog entrou no ar às 13:06 da segunda-feira, dia 24. E mostrou-se ainda mais útil logo nas primeiras horas de vida, quando se confirmou o fato de que o DIARINHO de terça não seria impresso, por absoluta impossibilidade de ser distribuído. A região estava vivendo o caos da enchente. Todo o material que seria publicado no jornal foi então colocado no blog.

Rapidamente, como geralmente acontece na internet, houve uma divulgação viral da existência do DIARINHO na Chuva, com uma espécie de “boca-a-boca” que na verdade era “blog-a-blog” e em menos de 24 horas de sua criação, o número de visitantes únicos chegava à impressionante marca de 16 mil. Gente de todos os lugares, do Brasil e do estrangeiro, procurava no blog do DIARINHO informações sobre a situação em Itajaí e região.

Foram publicadas 242 notas (ou posts, como também se diz), cerca de 40 por dia, em média. E colocamos links ou referências para os principais sites e blogs que também estavam acompanhando o desastre.

Os leitores serão os principais avaliadores da experiência mas, aqui do nosso lado do balcão, o DIARINHO na Chuva foi uma experiência importante, uma aventura num mundo novo do qual vamos tentar cada vez mais fazer parte e, assim que for possível, assumir também aí o protagonismo que os 30 anos de independência e destemor do DIARINHO merecem.

Mais uma vez obrigado. E até a próxima experiência online do DIARINHO. Se Deus quiser, numa situação completamente diferente desta.

Itajaí começa a montar o cadastro geral de atingidos pela enchente

Além do abastecimento nos nove Postos de Distribuição e dos abrigos cadastrados pela prefa de Itajaí, começa hoje o cadastramento de todas as residências atingidas pela enchente. Todos os servidores municipais e toda população que pode ajudar deve comparecer num dos pontos para trabalharem como voluntários no cadastramento das residências. Estes voluntários irão de casa em casa para fazer um mapeamento completo de todas as necessidades dos atingido.

De acordo com o prefeito Volnei Morastoni, este cadastro servirá para que a prefeitura saiba não só das necessidades básicas e imediatas de cada família, mas também para uma segunda etapa quando a cidade começar a ser reconstruída. “Nossa intenção é atender de imediato os que precisam de água, comida, medicamentos e roupas, mais tarde, este cadastro também poderá auxiliar na distribuição de recursos que serão liberados pelo Governo Federal, por exemplo”.

Para fazer este cadastro a cidade foi dividida em sete pontos diferentes que terão um coordenador e atenderão determinadas comunidades:

1) Cordeiros – José Amadio Russi (9977-4857)– Colégio Antônio Ramos (Avenida Independência, 55);

2) Fazenda – Davi Teixeira (9621-3633/ 8405-2101) – Igreja Católica (Rua Amaro Jaques/ Sete de Setembro, 85 – próximo ao Cemitério);

3) São Vicente – Jamerson (9953-6103) – Igreja Católica (Rua Estefano José Vanolli, 1029);

4) São Judas; Dom Bosco; São João; Vila Operária e Centro – Gerson Cruz- Prefeitura de Itajaí(Rua Alberto Werner, 100);

5) Cidade Nova – Idalina Boni (8415-5494)– Igreja Nossa Senhora de Fátima (Rua Argílio Cunha);

6) Espinheiros; Salseiros; volta de Cima e São Roque – Élcio Georgi (9964-2474))– Escola José Fernandes Potter (Rua Fermino Vieira Cordeiro, 129);

7) Itaipava – Valéria – Loteamento São Pedro – Escola Básica Inês Crsitofolini (Rua Doutel Andrade, 395).

Os voluntários devem comparecer a estes pontos e procurar o responsável. Devem levar papel, caneta e prancheta para as anotações. Em caso de dúvidas, os voluntários ainda podem ligar para o coordenador geral deste cadastramento, Manoel Jesus da Conceição, o Maneca, no telefone 9988-1213.

Separar lixo de entulho

A Secretaria de Obras e Serviços Municipais (Seosem) e a Engepasa Ambiental estão normalizando os serviços de coleta de lixo residencial. O problema é que muitas pessoas estão colocando o lixo normal junto com os entulhos da enchente no lado de fora das casas, o que dificulta o trabalho de coleta.

A solicitação é que o lixo comum seja colocado separado dos entulhos. Assim, os caminhões da Engepasa poderão fazer normalmente a coleta do lixo domiciliar. Já os entulhos serão recolhidos por meio da força-tarefa que trabalha para recuperar a cidade dos danos causados pela enchente. Haja trabalho!

PRECISA-SE DE

MARMITAS
Os voluntários que trabalham no Centro de Eventos de Itajaí precisam de embalagens para marmita. As embalagens podem ser de alumínio, plástico, isopor ou qualquer outro material.

As embalagens podem ser entregues diretamente na Policlínica do São João, em frente à Igreja do bairro, aos cuidados de Kátia ou Daniel, fone 9962-3981. Outro local para a entrega das embalagens é no Centro de Eventos, Parque da Marejada, aos cuidados de Fábio.

VOLUNTÁRIOS
Com a chegada de mais caminhões de roupas no Ginásio de Esportes Gabriel João Collares, em Itajaí, são necessários mais voluntários no local para auxiliar durante o dia de hoje.

O objetivo é trabalhar na descarga do material. Os voluntários devem seguir diretamente para o Ginásio Gabriel Collares.

SACOS PLÁSTICOS
Os voluntários que trabalham no Centro de Eventos em Itajaí precisam urgentemente de sacos plásticos resitentes para embalar as doações. A necessidade é de sacos plásticos grandes, para embalar roupas de cama, e pequenos, para embalar alimentos.

As embalagens podem ser entregues diretamente ao Fábio, no Centro de Eventos, Parque da Marejada, em Itajaí.

Três casas podem desabar

A Defesa Civil de Itajaí já identificou três casas na rua Carlos Drummond de Andrade, na Praia Brava, que colocam em risco á vida dos moradores. A casa de João Bernardino, de Ivan João de Souza e de Carlos Fernando Ramos, uma ao lado da outra, estão levando perigo aos moradores.

Para evitar uma tragédia, a Defesa Civil pede aos proprietários que tiveram sua casas parcialmente danificadas, ou, ainda, com a estrutura afetada, que os informe por meio do telefone 199. Sérgio Burgonovo, responsável pelo órgão, está com uma equipe dedicada para avaliar a situação das residências e orientar o procedimento a ser adotado.

Ao ligar para a Defesa Civil e informar a situação da residência, o atendente irá classificar a ocorrência em dois estágios de problemas, tendo como referência perigos que podem causar riscos à vida. O primeiro classifica as casas com perigo de desabamento ou deslizamento e, o segundo, problemas na estrutura da casa.

O tempo que a equipe da Defesa Civil leva pra ir ao local é de uma hora a dois dias, dependendo do grau de risco à vida. Depois da avaliação, os agentes da Defesa Civil instruirão se os moradores das residências afetadas pela enchente deverão procurar um dos abrigos, ou buscar apoio na casa de conhecidos.

0800 para ajudar

Vai começar a funcionar daqui a pouco, as 16h, um número de discagem gratuita aos interessados em fazer doação por depósito bancário. Por meio do 0800 48 2020 será possível obter todas informações sobre bancos e contas bancárias abertas para esse fim. O número foi disponibilizado pela Defesa Civil catarina pra evitar as sacanagem de contas fajutas.

Defesa Civil de Ilhota pede cadastro de moradores

Os moradores de Ilhota que saíram do município por conta própria devem se cadastrar por meio do telefone (47) 3343-8800.

O pedido é da Defesa Civil do município que está recebendo muitas ligações e não tem como informar sobre pessoas que viajaram para buscar abrigo em outras cidades.

Hospital de Campanha começa a atender amanhã


O Hospital de Campanha começa a atender amanhã. Ele foi montado por soldados da Força Aérea Brasileira e disponibilizado pelo Ministério da Defesa para atender os desabrigados pela enchente. O principal objetivo é desafogar o setor de emergência dos hospitais da região.

A articulação e os serviços estão sendo feitos com o apoio da Secretaria de Estado da Saúde. O atendimento será exclusivo às pessoas encaminhadas pelos centros de triagem dos municípios atingidos com as unidades de saúde.

Cerca de 80 profissionais da FAB, incluindo 40 médicos já chegaram a Itajaí para trabalhar no atendimento previsto para iniciar as 8h da segunda-feira , no Hospital de Campanha, que está instalado no pátio do Posto Santa Rosa, do Grupo Dalçoquio, localizado no cruzamento entre a BR-101 e a rodovia Jorge Lacerda no trevo de acesso a Itajaí.

Com quase 50 tendas e 30 leitos, o Hospital de Campanha tem capacidade para atender até 400 pessoas por dia. A estrutura oferece posto de triagem e um leito de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), o que permite a realização de consultas médicas e odontológicas, de cirurgias e de atendimentos emergenciais, ou ainda o encaminhamento para outras unidades hospitalares.
O expediente será das 8 às 16 horas, enquanto houver necessidade de reforço hospitalar na região mais atingida pelas cheias. Foto Neiva Daltrozo

Corpo aparece boiando embaixo da ponte

O corpo de um homem apareceu boiando embaixo da ponte do rio Itajaí-Açu, que liga Itajaí e Navegantes pela BR-101. Segundo o Instituto Médico Legal (IML), o cadáver é de uma pessoa que morreu vítima da enchente que atingiu a região na última semana.

O cadáver, que está em avançado estado de decomposição, tem um metro e noventa de altura, cabelos escuros e volumosos, além de uma dentição perfeita. Não há documentos ou marcas no corpo que ajude na identificação da vítima. O IML fica na rua Joça Brandão, no centro peixeiro, e o telefone é 47 3348-0123 para mais informações.

Rebocador de Alto Mar Tritão atraca segunda-feira em Itajaí com donativos

O rebocador de Alto Mar Tritão da Marinha Brasileira atraca segunda-feira em Itajaí carregado com mais de 30 toneladas de alimentos, marinheiros e médicos que vão ajudar as vítimas da enchente que assolou o município. Os donativos foram arrecadados pelo comando do 5º Distrito Naval e organizações subordinadas.

Foram arrecadados donativos, como roupas, alimentos de pronto uso e medicamentos, para serem trazidos às vítimas dos alagamentos e desabamentos. O ponto de coleta em Rio Grande foi o Ambulatório Naval, localizado na avenida Almirante Garnier, número 84, próximo à sede do Comando.

Os produtos arrecadados pelo 5º Distrito Naval, assim como os reunidos em campanhas de outros órgãos e entidades de Rio Grante - água mineral, alimentos, roupas e colchões, serão levados para Itajaí. O rebocador partiu de Rio Grande neste sábado, às 10h.

Parte dos donativos foi embarcada na tarde de ontem. Em torno de 60 pessoas, entre militares do Grupamento de Fuzileiros Navais e alunos do Núcleo de Formação de Reservistas Navais, trabalharam em mutirão para carregar a embarcação.

Uma equipe de apoio ambulatorial participa da operação, munida de medicação apropriada, para atender aos flagelados. Conforme o comandante da embarcação, capitão-de-corveta Carlos Roberto Rocha e Silva, do Rio Grande irão três médicos e três enfermeiros, mas também serão deslocados profissionais da saúde que atuam em Florianópolis. A intenção da Marinha é montar um ambulatório emergencial no píer turístico do porto de Itajaí para atender aos que necessitarem.

O apoio da Marinha às vítimas do mau tempo em Santa Catarina, com pessoal e material, vem ocorrendo desde o último dia 23. Com a chegada à Itajaí de mais um helicóptero de emprego geral na tarde de quinta-feira e do navio-patrulha “Benevente” na manhã de ontem, o efetivo empregado no auxílio à população já soma mais de 110 militares.

sábado, 29 de novembro de 2008

Desperdício d´água







Enquanto alguns bairros de Itajaí como o centro, Fazenda e Praia Brava sofrem com a falta d´água, um caminhão lava a calçada da igrejinha da Imaculada Conceição na maior tranqüilidade. A cena foi flagrada pela equipe do DIARINHO, agora há pouco, que também denunciou o desperdício ao Semasa. A autarquia peixeira multa moradores que usam água pra lavar calçadas ou carros na cidade. Fotos Brigitte Bardot



Risco de desmoronamento interdita BR-470

A BR-470, que liga os municípios de Gaspar e Blumenau, foi totalmente interditada agora há pouco. Há risco de desmoronamentos e o morro onde está instalada a antenada da Vivo, companhia de telefonia móvel, tá começando a ceder.

O desvio de carros pequenos está sendo feito por dentro da cidade. Caminhões não estão autorizados a passar, e neste momento, seis caminhões com doações que estavam a caminho de Blumenau estão parados na rodovia.

Abram o olho!

Defesa Civil alerta para golpistas que abrem contas “em favor dos flagelados de SC”

A Defesa Civil distribuiu nota advertindo aos que desejam contribuir em dinheiro para as vítimas atingidas pelas fortes chuvas no litoral de Santa Catarina, para que prestem atenção nas contas onde estão efetuando o depósito.

“Muitos golpistas têm utilizado a internet, se passando pela Defesa Civil, e pedindo dinheiro em contas não-oficiais, através de e-mails.”

Na manhã deste sábado (29), a Defesa Civil recebeu a informação de que um brasileiro, que mora na Inglaterra, abriu uma conta para arrecadar ajuda de outros brasileiros que moram na Europa. Esse tipo de conta não é reconhecida como oficial pela Defesa Civil e é provável que seja objeto de golpe.

A Defesa Civil oferece oito contas oficiais nos bancos:

SICOOB SC - 756 - Agência 1005, Conta Corrente 2008-7

Caixa Econômica Federal - Agência 1877, operação 006, conta 80.000-8

Banco do Brasil – Agência 3582-3, Conta Corrente 80.000-7

Besc – Agência 068-0, Conta Corrente 80.000-0.

Bradesco S/A - 237 Agência 0348-4, Conta Corrente 160.000-1

Itaú S/A - 341, Agência 0289, Conta Corrência 69971-2

SICREDI - 748, Agência 2603, Conta Corrente 3500-9

SANTANDER - 033, Agência 1227, Conta Corrente 430000052

O nome da pessoa jurídica é Fundo Estadual de Defesa Civil, CNPJ - 04.426.883/0001-57.

Municípios - Alguns dos municípios afetados também abriram contas para ajudar suas comunidades afetadas, os números das contas e bancos podem ser consultados pelo 199, na Defesa Civil de cada cidade.

Conta Ilhota - Banco do Brasil/ Agência: 3148-8 / Conta corrente: 90.000-1
Prefeitura Municipal de Ilhota/Defesa Civil

Virou foco


Ana Maria Braga, da Rede Globo, esteve na manhã de ontem em Itajaí. A apresentadora do "Mais Você” sobrevoou de helicóptero as cidades atingidas pelas cheias e transmitiu o programa de Blumenau. Além de Ana Maria, estiveram na região nesta semana os jornalistas Willian Bonner, Caco Barcelos, Roberto Cabrini e Brito Júnior. Precisou de uma desgraça bem grande pra esse povo conhecer nossa terrinha... Foto Ramon Cunha

Agua


Equipes auxiliam no transporte de água potável, no aeroporto de Navegantes, às populações afetadas pelas chuvas . Foto: Neiva Daltrozo

Donativos


Equipes carregam helicóptero com donativos para Ilhota. Foto Neiva Daltrozo

Médicos

Equipe da Secretaria de Saúde de São Paulo embarca para missão em Ilhota, onde ontem, em novo deslizamento de terra, mais quatro pessoas morreram.
Foto Ana Paula Zenatti

Show SOS Santa Catarina em SP

Grandes nomes da MPB se unem no show SOS Santa Catarina, promovido pela TV Cultura

Ed Motta, Chico César, Fabiana Cozza, Simoninha, Jairzinho Oliveira, Lecy Brandão, DJ Thayde, Inimigos da HP, Cláudio Zoli, Inezita Barroso, Yamandu Costa, César Menotti e Fabiano, turma do Cocoricó e apresentadores da emissora se unem no Anhembi para prestar apoio às vítimas das enchentes em Santa Catarina.

Os organizadores estão pedindo que o povo leve uma garrafa de água mineral ou um cobertor para poder entrar. O estacionamento será gratuito.

O evento será dia 30 (amanhã), com transmissão ao vivo pela TV Cultura a partir das 20h e pela internet a partir das 18h.

Domingo, 30 de novembro a partir das 20h
Grande Auditório - Portão 34
Anhembi - São Paulo
Estacionamento gratuito
Os portões serão abertos a partir das 18h.

Mais informações no site do SOS SC da TV Cultura

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Deslizamento

Deslizamento atingiu e destruiu os fundos de um clube de caça e tiro no bairro Fortaleza, em Blumenau. Foto: Fernando Alécio.

Mais chuva

Para o início da próxima semana tá previsto mais chuva, devido a formação de uma frente fria no Sul do Brasil, mas desta vez atingindo todo o estado, inclusive o Oeste onde não chove há quase duas semanas na maioria dos municípios.

Há risco de temporal isolado com ventos mais fortes, especialmente na divisa com o Rio Grande do Sul. A Defesa Civil manda os moradores da Grande Florianópolis, Vale do Itajaí e o Litoral Norte se ligaram no aguaceiro, já que os níveis dos rios estão mais elevados e o solo encharcado, sem tempo para mudar essa cenário.

SEM PREVISAO


Técnicos e profissionais ligados ao complexo portuário de Itajaí devem anunciar somente na próxima segunda-feira, dia 1º de dezembro, uma expectativa de quando os portos de Itajaí e Navegantes devem voltar a operar navios de carga.

Segundo o diretor executivo do terminal, Marcelo Salles, somente com o resultado da batimetria e da cubagem de sedimentos que precisará ser retirado do canal de acesso permitirão prever quando os portos de Itajaí e Navegantes poderão voltar a operar. Embora parte da infra-estrutura de cais e área de estocagem do Porto de Itajaí apresente sérias avarias, a principal dificuldade de operação está hoje no assoreamento do Rio Itajaí Açu.

Segundo o representante oficial da praticagem do complexo portuário de Itajaí, Alexandre Gonçalves da Rocha, vários pontos do canal de acesso e da boca da barra estão com apenas oito metros de profundidade, o que impossibilita a entrada dos cargueiros que hoje operam nos portos, incluindo os da Brakarne e outros terminais privados menores.

A dragagem de manutenção vinha mantendo a profundidade do canal de acesso em 11 metros. Para agilizar a recuperação, segundo Salles, o porto pretende contratar três dragas simultaneamente.
Colaborou Luciana Zonta

Remédios na praia...

A Polícia Civil de Itajaí recolheu na tarde de ontem uma montoeira de remédios que tava boiando na praia Brava. Os medicamentos eram chineses, vieram pelas águas e encalharem na areia.
Uns tolos tavam recolhendo as caixas pra levar pra casa e a puliça teve que acabar com a idéia de girico dos trouxas. Afinal, o nome dos remédios e os princípios ativos estavam todos escritos em mandarim, como os sem noções iriam saber de qual remédio se trata.

Os remédios foram levados pra depê e, segundo o delegado Rui Garcia dos Santos, ainda não se sabe a procedência dos medicamentos. Rolam boatos na city de que os medicamentos tenham siscapolido de um contêiner apreendido pela Receita Federal. O fundo do trambolho, que estaria guardado no armazém da Receita, teria quebrado e os remédios foram rio abaixo com a enchente que atingiu a cidade. Foto Felipe VT

TCE elogia a viadagem

Ofício circular que o Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina colocou pra... circular hoje à tarde, jogando um confetinho básico nos alegres rapazes e moças da imprensa (incluída aí a viadagem do DIARINHO, claro):

“Ilustríssimo Senhor,

O Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina, em Sessão Plenária datada de 26 de novembro do corrente, diante da proposição feita pelo Conselheiro Wilson Rogério Wan-Dall, com o apoio de todos os componentes do Egrégio Plenário, deliberou, por unanimidade, que se oficiasse aos organismos da imprensa, louvando a cobertura dada à situação de calamidade que ora assola o povo catarinense.

Santa Catarina vem enfrentando uma das maiores catástrofes naturais da sua história. Mais de 50 mil pessoas desabrigadas ou desalojadas. Mais de 1,5 milhões de pessoas afetadas direta ou indiretamente pelas intempéries das chuvas; é uma tragédia que não tem comparativo recente neste Estado. Mas nada se compara às perdas humanas.

Mais uma vez a imprensa, cumpridora do seu papel social e informativo, presta um serviço à sociedade, considerando que suas ações têm culminado com uma mobilização nacional no afã de amenizar o sofrimento deste povo, sensibilizando a sociedade para a importância da fraternidade e solidariedade, por meio da doação de mantimentos, roupas, recursos materiais e financeiros.

Neste sentido, serve o presente para demonstrar o reconhecimento pela cobertura jornalística deste lamentável episódio, e cumprimentá-los pela veiculação dos fatos ora vivenciados. É deste jornalismo responsável, que comunica, esclarece e instrui seus leitores, ouvintes e telespectadores que a sociedade necessita.

Em nome de todos aqueles que compõem o TCE/SC, aproveito o momento para manifestar meus protestos de elevado apreço.

Conselheiro José Carlos Pacheco
Presidente”

O golpe não era bem um golpe

Publiquei uma nota aqui, ontem, assustado com um e-mail que recebi, que falava na defesa civil e todos os links levavam a um domínio www.password.com.br. Escaldado com tantos outros golpes, abri a nota afirmando que este era também um golpe. O alerta tocou porque fala em defesa civil e não leva direto a www.defesacivil.sc.gov.br.

A delegada Júlia Vergara, da Polícia Federal, encaminhou a denúncia ao setor que cuida desse tipo de crime, para averiguações. A conclusão dos peritos é que, num primeiro exame, a história não é assim tão grave: quem clica nos links acaba chegando à defesa civil, depois de passar pelo site de uma empresa de marketing por e-mail (dessas que jura que não faz spam, mas o efeito, nas nossas caixas postais, é esse). Caso se confirme que, ao passar por lá, não é instalado nenhum cavalo de tróia (a PF está testando isto agora), então o e-mail não é malicioso no sentido de causar mal a quem segue seus links e “apenas” usou o artifício para gerar um pouco mais de tráfego, aumentando os acessos ao site da empresa (e, quem sabe, captar mais alguns endereços válidos de e-mail para seus cadastros).

Ao divulgar a necessidade de ajuda às vítimas da chuva a empresa IMailing estava, aparentemente, prestando um serviço à comunidade. Mas ao “aproveitar” para tirar uma casquinha, igualou-se a tantas outras mensagens suspeitas que a gente recebe, gerando a dúvida. E nestas histórias de e-mail, em caso de dúvida, a recomendação internacional é: deletem sem clicar em nada.

Provavelmente pequei por excesso de cuidado: se eu tivesse esperado o resultado da análise e o e-mail fosse mesmo portador de algum cavalo de tróia, várias pessoas poderiam ter sido infectadas.

Ah, já que chegaram até aqui: o melhor caminho até a Defesa Civil é mesmo o www.defesacivil.sc.gov.br sem atalhos, baldeações ou escalas.

Itamirim


Em muitos pontos a água ultrapassou um metro de altura e destruiu bastante coisa. As quadras de tênis, campos de futebol e ginásio de esportes estão impraticáveis. Além disto, vários documentos se perderam e a direção do clube vai demorar um bom tempo pra conseguir botar tudo em ordem novamente. Foto: Irena de Almeida

Interditada

Ponte da Nova Brasília, no Itajaí, tá interditada. A correnteza do rio Itajaí - mirim abalou a estrutura da ponte, que passará por uma avaliação de técnicos. Mesmo correndo perigo tem neguinho que se arrisca no local. Foto Patrícia Auth

Semasa vai multar gastadores de água

O Semasa tá de olho nos espíritos de porcos que estão gastando água – que tá escassa na cidade – a torto e a direito. Os fiscais estão nas ruas da cidade, fiscalizando e multando as pessoas que estão desperdiçando água.

A água que tá sendo distribuída pela rede é de extrema importância para as pessoas que precisam fazer a limpeza de suas casas. Não lave carros e calçadas, muitas pessoas ainda estão sem água por causa do desperdício. Quem ver os espertões desperdiçando devem denunciar o sem noção no telefone 0800 645 0195.

Casan se mexe

Notinha que a empresa de água e saneamento do governo estadual está distribuindo, pra mostrar que não está parada (se bem que essa história de distribuir água em copinhos é uma bola quicando para os piadistas de plantão):
CASAN DISTRIBUI 100 MIL COPOS DE ÁGUA

A Companhia Catarinense de Águas e Saneamento, CASAN, entregou para a Defesa Civil do Estado a quantia de 100 mil copos de água, que são envasados pela empresa na localidade de Ingleses. Para os 300 caminhoneiros que estavam paralisados na Br-101, foram entregues 5 mil copos de água amenizando a crítica situação.

Nos 20 municípios, localizados principalmente na região norte, a Casan conseguiu restabelecer o funcionamento de suas estações de tratamento de água, com equipes trabalhando dia e noite garantindo o fornecimento para os flagelados. Tendo em vista que a SAMAE não conseguia abastecer Blumenau, a CASAN num gesto de solidariedade forneceu 1 milhão de litros de água por dia, principalmente aos hospitais e abrigos.

Mais uma graninha

A Justiça Federal de SC está informando que vai destinar a verba de penas alternativas para as vítimas das enchentes. Taí a nota que acabaram de distribuir:
“A Justiça Federal em Santa Catarina (JFSC), por meio da Vara Federal Criminal de Florianópolis, destinará R$ 15 mil originários de penas alternativas às vítimas das chuvas que atingem o estado. O dinheiro está depositado em conta judicial e foi pago por pessoas que cumpriram pena de prestação pecuniária ou condição de suspensão de processo por crime de menor gravidade. A medida foi determinada por solicitação da Direção do Foro da JFSC, que, através da Seção de Assistência Social da instituição, usará a importância para adquirir itens necessários à sobrevivência das vítimas. A destinação teve parecer favorável do Ministério Público Federal. A prestação de contas deve acontecer em 30 dias.

Processo nº 2008.72.00.013455-1”

Caravana da solidariedade alvinegra dá suporte as vítimas de Itajaí

A enchente que atingiu Santa Catarina está mobilizando milhares de pessoas e empresas de todo Brasil, que movidas pelo sentimento de solidariedade estão fazendo a sua parte para ajudar os mais de 1.500.000 afetado e os 78 mil desabrigados e desalojados. A população atingida nos municípios mais afetados pela tragédia, já está sendo abastecida com donativos distribuídos pela Defesa Civil do Estado de Santa Catarina.

O comprometimento com a população do estado também mobilizou os dirigentes do Figueirense, que através do Instituto Figueirense de Assistência Social-IFAS, promoveu uma grande doação de mantimentos aos afetados pela tragédia na cidade de Itajaí.

Três caminhões e uma mini van com sete toneladas e meia de água, aproximadamente oito toneladas de alimentos e mais 8.000 fraldas descartáveis, saíram de Florianópolis com destino a cidade portuária, que ficou 90% debaixo da água, para fazer a distribuição dos donativos.

A caravana solidária organizada pelo alvinegro catarinense, também transportou grande quantidade de donativos arrecadados pelos torcedores e comunidade local, já entregues na secretaria do clube.

Alerta sobre proliferação de doenças

Pessoas que tiveram contato com a água das enchentes devem ficar alertas às doenças como a leptospirose, já que não ela não pode ser prevenida com vacina. A Leptospirose é transmitida principalmente pelo contato com água contaminada com a urina dos ratos.

Os principais sintomas são dores no corpo, dor na panturrilha, febre, mal-estar e icterícia (amarelamento da pele). As pessoas que tiverem suspeita de contaminação não devem, de forma alguma, prosseguir com a auto-medicação e precisam se dirigir imediatamente à unidade de saúde mais próxima para avaliação médica e exames necessários.

O uso de medicamentos que contenham ácido acetil-salicilico (analgésicos como aspirina, AAS, Melhoral) é altamente perigoso, pois eles podem causar hemorragia em pessoas infectadas. O uso de antiinflamatórios também não é indicado. As pessoas com esses sintomas precisam ser hidratadas. A Vigilância Epidemiológica de Itajaí afirma que casos de leptospirose só podem ser confirmados após pelo menos 7 dias da contaminação e por isso ainda não há números oficiais de contágio.

Vacinas
As unidades de saúde do município e prontos atendimentos já estão em funcionamento e fornecem as vacinas infantis normalmente. É importante que os pais levem as crianças para atualizarem as doses, principalmente da BCG (Bacilo de Calmette e Guérin) que previne a tuberculose.

Já a vacina anti-tetânica só deve ser aplicada em caso de prescrição médica, já que a dose não tem efeito após a contaminação. A injeção tem principio ativo de 21 a 30 dias após a aplicação. Outra vacina aplicada apenas a pedido dos médicos é a imunoglobina, que tem efeito no mecanismo de defesa do corpo.

Timão também arrecada donativos

O Corinthians se solidariza com as vítimas dos temporais que têm assolado o Estado de Santa Catarina nos últimos dias e disponibiliza o mini-ginásio do clube para a arrecadação de alimentos não-perecíveis, roupas e colchonetes.

Os itens arrecadados serão enviados para os catarinenses. A diretoria corinthiana estuda ainda a possibilidade de realização de outras ações em prol das vítimas do estado vizinho e estas serão divulgadas conforme viabilizadas.

Toque de recolher

Quem for pego dando uma banda depois das 22h pelas ruas dos bairros mais atingidos pela enchente no Itajaí, corre o risco de ir parar atrás das grades. A Polícia Militar peixeira iniciou ontem a segunda parte da operação de proteção à vida, onde os milicos são autorizados a dar uma güentada nos vadios que insistirem em sair de dentro de casa pra aprontar nas altas horas da noite.

A notícia foi dada ontem à tarde pelo vice-governador Leonel Pavan e a chefia dos meganhas. O coronel Eliesio Rodrigues explicou que a medida só será aplicada nos bairros mais atingidos pela enchente e que ainda estão passando por algum perrengue, como a falta de luz e o acúmulo de água. A medida também valerá aos comércios e bares que insistirem em ficar abertos depois das 22h.

Segundo o coronel, não se trata de um toque de recolher, mas sim uma operação pra combater a malocada aproveitadora. "Achamos por bem baixar uma portaria em busca do bem-estar social para evitar saques, furtos", explicou. A portaria 816 só deixa de vigorar quando os bairros voltarem aos conformes. "Voltou ao normal, ela se extingue. A idéia é reorganizar a vida desta cidade", mandou o coronel.

O comandante da 3ª Região, coronel Albanir Santos, explicou que a medida não foi aplicada somente no Itajaí. "Todo o estado onde foi decretado estado de emergência ou calamidade pública", garantiu. A operação faz parte da segunda fase dos trampos realizados pelos milicos. A primeira fase consistiu em dar auxílio e suporte durante o socorro às vítimas.

Pedido
Durante o blablablá, o dono da casa lotérica saqueada na terça-feira no atacado Maxxi, no bairro São Vicente, fez um apelo. O comerciante abriu o coração e questionou por que os meganhas deixaram o vandalismo rolar solto.
Texto BB

Vermelhinhos fazem laudos na faixa pra quem teve baiúcas atingidas

Quem tá desconfiado com os estragos causados pela chuvarada e os desmoronamentos que assolaram a região pode pedir uma vistoria digrátis ao corpo de bombeiros. Os vermelhinhos fazem um laudo, informando se a casa corre risco de vir abaixo, e orientam o morador a procurar um engenheiro. No Balneário, 11 casas da rua Síria, no bairro das Nações, tão nesta situação e precisaram ser desocupadas. Também desbarrancaram morros na Interpraias e atrás do hospital Santa Inês.

De acordo com o capitão vermelhinho Deivid Vidal, a prioridade é mesmo pra quem acha que a casa tá perigando por causa dos desmoronamentos. O relatório sobre as ruas e residências atingidas pela água da enchente vai ficar a cargo da defesa civil. "As pessoas podem vir ao quartel da avenida do Estado e solicitar a verificação", disse. O serviço é gratuito e rende uma certidão, que pode ser usada pra acionar o seguro ou quem sabe pedir uma indenização.

O vigilante José da Silva Soares, 64 anos, é o dono de uma das casas da rua Síria que por pouco não vieram abaixo no último sábado. Triste, ele mostra os estragos causados na parte de trás da casinha. "Era a única coisa que eu tinha. Tô na rua", se entristece o véinho. O morro que caiu sobre as casas da rua Síria não tava desmatado. Veio abaixo com árvores e tudo e pegou os moradores de surpresa.

Seu José foi acolhido pelos vizinhos da frente. De acordo com o responsável pela defesa civil na Maravilha do Atlântico, secretário de Obras Edson Kratz, a prefa vai pagar aluguel pro pessoal que sofreu com o deslizamento. Assim que a terra secar será analisada a extensão dos estragos, pra então dar início à construção de um muro de contenção. O secretário garantiu que as casas poderão ser reconstruídas em breve.
Texto OP

Estradas federais continuam interditadas

As duas principais rodovias federais de região continuam interditadas. A BR-101 tá bloqueada pro tráfego em Palhoça e, em Gaspar, ninguém passa pela BR-470. Além desses pontos críticos, várias outras regiões ainda têm tráfego em meia pista.

Em Palhoça, quem tá de carro e caminhonete ainda pode fazer um desvio por dentro da cidade e retornar à BR-101 depois do ponto interditado. O Departamento de Infra-Estrutura e Transportes (DNIT) tem a previsão de liberar a pista no domingo.

Em Garuva, no km 13 da 101, a pista cedeu num sentido e um desmoronamento de barreira fechou a outra faixa, por isso o tráfego ficou em uma pista nos dois sentidos. Em Itapema, no Morro do Boi, a pista também tá parcialmente interditada no sentido norte-sul pra retirada de pedregulhos que caíram na via.

Já em Gaspar, na BR-470, a pista cedeu e não dá passagem pra nenhum tipo de caranga. Ali o perrengue é bem maior e não se tem pra onde desviar. O DNIT acredita que ainda deve levar uns 15 dias pra voltar tudo ao normal.

Donativos
Além de tentar controlar os perrengues nas estradas, os 24 postos da polícia rodoviária federal na Santa & Bela tão ajudando a receber alimentos não perecíveis, colchões e roupas e agasalhos, que serão encaminhados à 8ª Superintendência da PRF, em Floripa, pra distribuição aos atingidos pela enchente em parceria com a defesa civil.
Texto DR

Nove postos de saúde já atendem normalmente e políclínica volta amanhã

Depois do aguaceiro que tirou a paz da população itajaiense, parece que as coisas começam a se normalizar na cidade. Os postinhos de saúde, aos poucos, retomam às atividades, pro alívio dos moradores. Nove pontos já tão com as portas abertas.

Os postos dos bairros São João, Imaruí, Dom Bosco, Cordeiros, Fazenda, Praia Brava, Brilhante, Limoeiro e Itaipava já funcionam normalmente desde ontem. Além disso, existe um atendimento 24 horas no bloco 29 da Univali. O Centro de Referência em Doenças Infecciosas (Ceredi) e o Centro de Orientação e Diagnose Municipal (Codim), no centro da cidade, já tavam abertos na quinta-feira. No hospital Marieta o atendimento também é nomal.

Segundo a secretária de Saúde, Rosalie Knoll, o pronto-atendimento do bairro São Vicente será reaberto no sábado. A policlínica central, na rua Felipe Schmitt, normaliza o atendimento só na segunda-feira.

Rosalie esclarece que a volta dos serviços nos demais postos de saúde atingidos pela enchente depende das condições dos móveis e aparelhos de trabalho e da limpeza do local. Antes de serem reabertas, por segurança, as unidades de saúde serão desinfetadas. No Promorar, por causa do monte de gente, a secretária de Saúde disse que tá sendo estudada a possibilidade de se abrir um postinho provisório.

A área da saúde de Itajaí foi bastante afetada pela enchente. Muitos funcionários até ontem não tinham voltado ao trampo. A situação é mais crítica nos bairros do interior da cidade e no Promorar, onde nem os agentes de saúde escaparam da fúria das águas. A secretária disse que, por enquanto, tá dando conta de atender a população por causa do grande apoio de voluntários, em especial dos acadêmicos de medicina da Univali.

Remédios garantidos
Desde que a enchente tomou conta de Itajaí, muitos medicamentos tão vindo de fora. "Nós estamos recebendo doações de vários estados do Brasil. A população pode ficar tranqüila porque remédios não vão faltar. Se for preciso pagar pelos medicamentos, nós vamos pagar", garante Rosalie.

Pras pessoas com doenças crônicas, como diabetes, tuberculose e hipertensão, que tiveram os medicamentos de uso continuo perdidos com a cheia, a orientação da secretaria de saúde é procurar os postos em funcionamento pra uma consulta médica. "Estes remédios só serão liberados perante receita médica", esclarece Rosalie.

A secretaria de saúde de Itajaí tá atendendo normalmente. Quem precisar de informações sobre os remédios ou postinhos em funcionamento pode entrar em contato com os barnabés pelo telefone (47) 3249-5500. O endereço da secretaria é rua Leodegário Pedro da Silva, 300, no Imaruí.
Texto SM

Força Aérea traz nove toneladas de remédios pras vítimas da enchente


Na manhã de ontem, um avião de transporte militar trouxe de Brasília cerca de nove toneladas de medicamentos. O avião Hércules aterrissou no aeroporto de Navega por volta das 9h, abarrotado de caixas com remédios. Nas caixas já havia a informação pra qual cidade seriam distribuídas. A maioria eram cidades do Vale do Itajaí, mas também tinha remédio pra outras regiões da Santa & Bela que foram afetadas pela chuvarada.

Durante o descarregamento dos remédios, foi possível perceber a colaboração da comunidade dengo-dengo. O caminhão usado era fornecido pelo posto Formento, e os voluntários que ajudavam a retirar as caixas do avião eram funcionários da Portonave, empresa proprietária do porto privado da cidade.

Os aviões cargueiros Hércules e Amazonas fazem diariamente o transporte de alimentos, medicamentos e materiais de limpeza pra Navega. De acordo com o Ministério da Defesa, a força-tarefa designada para ajudar no socorro às vítimas das enchentes e desabamentos em Santa Catarina somava até quarta-feira 593 militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, além de outros 43 que tão fora da região dando suporte às operações de transporte aéreo.

Além dos dois aviões, as equipes militares contam com nove helicópteros, 32 caminhões, dois blindados e 24 botes. "A tropa terrestre levou ainda à região um gerador para abastecer um hospital em Itajaí, um posto de abastecimento de água potável e um posto de saúde para triagem, com quatro médicos", informa o Ministério da Defesa.

Texto FA e foto Felipe Vieira Trojan

Univali pede ajuda

Com o aval da Univali, professores, funcionários e pais de alunos do Campus Itajaí estão colaborando com a comunidade que foi prejudicada pelas fortes chuvas na região. Desde segunda-feira, estão organizados e empenhados no atendimento dos alojamentos onde se encontram pessoas desabrigadas.

A Univali está precisando de doações para continuar este trabalho voluntário e montar os KITS DE RETORNO. Alimentos como farinha de trigo, óleo, feijão, arroz, macarrão, açúcar, água, etc... Material de higiene como: papel higiênico, absorventes, fraldas, sabonete, shampoo, pasta de dente, escova de dente.

Sacos plásticos de 100 litros de preferência transparentes e lacres para o devido fechamento dos mesmos. Enfim, todos os produtos necessários para a cesta básica e kit higiene para o retorno dos necessitados aos seus lares que na grande maioria perderam tudo.

Os fornecedores que tiverem a disponibilidade podem entregar no Campus Itajaí, Bloco 23, sala 301, ao lado da pizzaria e lanchonete do Pedro, durante todo o dia, a partir das 8h. Mais informações: (47) 8406 - 6759 com Pedro Paulo.

População começa a receber hipoclorito de sódio

O produto químico hipoclorito de sódio é um poderoso alvejante, que detona as bactérias. Como muitas pessoas tão com diarréia, provavelmente causada pela contaminação da água, a secretaria da saúde de Itajaí está distribuindo o composto de sódio e cloro.

Ontem, os abrigos já começaram a usar o hipoclorito na água doada para a população. Os desalojados, que começam a retornar para as suas casas, também receberam na quinta-feira um frasco do produto químico.

Hoje, a secretaria de saúde deve receber do governo do estado mais uma carga de produto e a intenção é distribuir nos postos de saúde, escolas e igrejas. Duas gotas de hipoclorito de sódio devem ser usadas a cada litro de água. Depois de meia hora, a água já está livre de bactérias.
Texto MS

Seis mil pessoas permanecem nos abrigos

Os abrigos montados pela prefa de Itajaí para receber os atingidos pela enchente começam a ficar vazios. Ontem, muitos moradores voltaram pras suas casas e três alojamentos foram desativados: o montado no Clube Tiradentes, no São João, na Univali, no centro, e no Alan Kardec, na Vila Operária.

Os 40 abrigos espalhados pela city ainda recebem seis mil pessoas. "Mas a tendência hoje é diminuir bastante e fechar mais alguns", informou Davi Coelho, responsável pela coordenação destes locais.

Os abrigos montados no São Vicente, Cordeiros e Espinheiros são os mais povoados, além da base no Clube Almirante Barroso, que abriga 690 pessoas que não podem voltar pras suas casas ainda. Além dos seis mil desabrigados, duas mil pessoas procuram esses locais pra fazer as refeições e dormem em seus lares.

As pessoas que já voltaram pra casa podem buscar comida, roupas e outros donativos nos pontos de distribuição. Ontem, cerca de 20 carretas de mantimentos foram distribuídas pelo município. Foram roupas, colchões, alimentos, fralda, leite, água, entre outros donativos. No São Viça, a fila era grande e rolou uma muvuca básica, que logo foi controlada.

Os pontos de distribuição de donativos para os atingidos pela enchente são: paróquia Dom Bosco, Secretaria de Educação, bombeiros da Itaipava, clube Tiradentes, Ar Frio, ginásio Ivo Silveira, capela Senhor Bom Jesus e Centro Educacional de Cordeiros.
Texto MJ

Precisa-se de voluntários

O Posto de Distribuição do Corpo de Bombeiros de Cordeiros, em Itajaí, precisa de 10 voluntários. Estas pessoas devem ajudar a montar os kits de socorro que serão levados aos desabrigados. Os voluntários serão muito bem-vindos.

Os coordenadores avisam que o posto de coleta continua no Corpo de Bombeiros, ao contrário da informação divulgada ontem que dizia que o posto mudaria de local.

Mutirão de limpeza vai recolher entulho espalhado por toda a cidade


As ruas de Itajaí ficaram tomadas de entulho ontem. Moradores e comerciantes começavam a retirar a lama, limpar os lares e tocar a vida adiante. Como a água destruiu coisa pacas, as beiradas das ruas foram tomadas de entulhos.

Para limpar este cenário de caos da cidade, a secretaria de Obras iniciou um mutirão de limpeza. Durante todo o dia de ontem, caminhões passaram pelas ruas recolhendo animais mortos e entulhos. "Estamos dando prioridade para a coleta de animais mortos. Em seguida vamos atacar com mais força os entulhos", explicou o secretário interino José Carlos Vicentainer.

As equipes trabalharam nos Cordeiros e no Cidade Nova. Hoje, a coleta de entulho deve ser reforçada com outros grupos. "Tem entulho em cerca de 90% da cidade para juntar. É muita coisa", soltou. O secretário acha que para retirar toda a nojeirada da rua é preciso uma semana de trabalho duro.

Um morador cedeu um terreno às margens da BR-101, nos Cordeiros, pra jogar os entulhos ali. Hoje, o secretário conversará com outro dono de terreno na Adolfo Konder, no São Vicente, pra transformar o lugar em depósito de lixo também. "O entulho será levado pros terrenos, depois parte será incinerada e o resto vai pro lixão", contou.

Os moradores da Praia Brava e dos Amores também querem ajudar a deixar a cidade limpinha. Eles organizaram um mutirão de limpeza que vai rolar hoje e amanhã. "A quantidade de sujeira encontrada na praia é enorme. Alguns animais são encontrados mortos na areia: vacas, cachorros e muito entulho...", disse Pedro Washington de Almeida Jr., um dos organizadores. Quem quiser participar do mutirão basta ir até o bar Vôo Livre, na avenida beira-mar da Braba, onde o povo se reunirá pra iniciar a limpeza.

Texto e foto MJ

Moradores começam a reconstruir suas casas mesmo com água dentro


A pequena comunidade do bairro Espinheiros de Cima ainda sofre com a enchente que atingiu Itajaí nesta semana. Os dois dias cinzentos, em que o sol se arriscou em aparecer por alguns momentos, não foram o suficiente pra escoar toda a água que invadiu as ruas peixeiras. Mesmo com água na canela, os moradores voltaram pra localidade, que fica na zona rural, pra recomeçar suas vidas. O mesmo acontece com cerca de 130 mil itajaienses que tiveram suas casas atingidas pela enchente.

A auxiliar de produção Neuci Rodrigues Moraes, 33 anos, mora há dois anos no Espinheiros de Cima, localidade às margens da rodovia Jorge Lacerda, próximo da empresa Supergasbras. Na manhã de domingo, ela, o filho e mais 15 pessoas deixaram o terreno onde moram, quando a água já entrava na casa 59 da rua Laurindo Sebastião da Cunha. "Colocamos tudo que conseguimos dentro da Kombi e fomos embora", contou Neuci.

Na tarde de ontem, eles voltaram pra baia com água na canela e começaram a limpeza. O primeiro passo foi jogar fora móveis, eletrodomésticos e roupas que não serviam mais pra nada. A mesma coisa fizeram os moradores das outras 30 baias da rua. A Laurindo Sebastião da Cunha ficou pequena para tanto entulho. Eram sofás, televisores, colchões, cobertores, cadeiras, entre outros móveis que ficaram detonados. Após o dia pesado de limpeza, Neuci e seus familiares voltaram pro abrigo, num colégio do Espinheiros, onde ficarão alojados até que a água deixe de vez a sua casa.

Poucos alagamentos
Segundo o tenente-coronel dos Bombeiros Onir Mocelin, algumas ruas de Itajaí, principalmente no bairro Espinheiros e Cidade Nova, ainda tão alagadas. "Mas não temos mapas dessas ruas, porque a situação muda hora a hora", explica. Os pontos de alagamentos são poucos e até o final de semana não devem existir mais.

O vermelhinho comentou que, agora que a água tá baixando, é possível analisar o trabalho feito pelos seus homens. Ele acredita que, diante da situação horrorosa vivida em Itajaí, é possível avaliar que a operação de resgate foi um sucesso. Diante do caos vivido na cidade, apenas duas pessoas perderam a vida. Para ele, a tragédia poderia ter sido maior.

Texto MJ e Foto Felipe Vieira Trojan

Navegantes diminui pela metade o número de desabrigados e desalojados


Metade dos desabrigados e desalojados já voltaram pras suas casas em Navegantes, até o final da manhã de ontem. A maior atenção agora é pras cerca de 300 pessoas que continuam nos quatro abrigos da cidade. Algumas vítimas da enchente de Ilhota e Luís Alves também estão em terras dengo-dengo.

Na tarde da quarta-feira, a defesa civil e o prefeito de Navega, Moacir Alfredo Bento, avaliaram a situação das chuvas na cidade. Ci contou que a coisa não tá tão grave como em Itajaí, mas, mesmo assim, a prefa deve arcar com um preju aproximado de R$ 3 milhões de reais em infra-estrutura.

A notícia boa é que o centro e os bairros Gravatá, Carvão, Meia Praia, São Domingos, Escalvados e São Paulo, que foram atingidos pela enchente, não estão mais com áreas alagadas. A preocupação é com o Volta Grande e o Porto das Balsas, regiões afetadas pela maré alta, que seguem com áreas de alagamento.

Os moradores destas localidades encontram-se em quatro abrigos: a escola municipal Maria Ivone, no São Paulo, o Caic, no Bairro Nossa Senhora das Graças, o salão paroquial do Bairro Porto Escalvados e a igreja católica do Carvão.

Saúde
Os postinhos dos bairros Volta Grande e Portos das Balsas ainda tão fechados. Todos os outros já retornaram às atividades. A unidade do Porto das Balsas deve reabrir na segunda-feira. Já a do Volta Grande ainda não tem data marcada.

No hospital de Navega, a diretoria pede pra população só encaminhar pessoas que precisem de atendimento urgente. A unidade está recebendo vítimas de Ilhota, Luís Alves, Penha e Piçarras, por isto o trabalho tá grande.

Volta às aulas
Já as escolas municipais e estaduais devem voltar a funcionar na segunda-feira, dia 1º de dezembro. Nos colégios que não foram atingidos pela enxurrada as aulas recomeçam hoje.

Água
O abastecimento está voltando ao normal devagarinho na city dengo-dengo. O problema é que Itajaí absorve praticamente toda a água antes de ela chegar a Navega. A previsão é que no final de semana o serviço esteja normalizado.

Penha, Piçarras e Barra Velha
O abastecimento de água nas cidades de Barra Velha, Penha e Piçarras já foi normalizado desde a madruga de quarta-feira. A Casan de Penha está, inclusive, fornecendo o líquido pro bairro Gravatá, de Navegantes.

Texto e foto CM

Morro do Baú: um cenário de destruição e morte



Isabel Cristina da Silva é uma jovem de 17 anos – completaria 18 no próximo dia 20 – que sonhava em ser modelo. A bela adolescente estudava inglês, quem sabe imaginando no futuro uma carreira internacional. O sonho de Isabel possivelmente acabou quando sua casa foi soterrada por uma avalanche de terra no Morro do Baú, na área rural do município de Ilhota, um dos mais castigados pelos deslizamentos de terra que acabaram com dezenas de vidas no Vale do Itajaí nos últimos dias e líder em número de mortes registradas até ontem.


Além da jovem, pelo menos mais quatro membros de sua família provavelmente também perderam a vida quando parte do morro veio abaixo: os pais Daniel e Iolanda da Silva e mais duas pessoas. Até às 13h de ontem, apenas o corpo de um homem havia sido retirado dos escombros da residência. As equipes de resgate encontravam dificuldades em retirar os demais corpos, devido à grande quantidade de terra e entulhos na casa destruída.


Entre os escombros, foi possível encontrar um álbum de fotografias (book) de Isabel, de um curso de modelo que ela fez em 2006. Também foi achado um cartão bancário em nome de Kátia Tatiana da S. Hostim. Os bombeiros que trabalham no local não souberam precisar quando ocorreu o deslizamento que vitimou a família Silva. A casa de Isabel foi totalmente destruída. Para se ter idéia da violência da terra, um trator daqueles grandes foi completamente moído na passagem do ‘tsunami’ de lama. O morro do Baú é um dos mais altos da região, com mais de 800 metros de altura.


Em outra casa destruída, próxima à da família Silva, os bombeiros tentavam localizar o corpo que provavelmente seria de uma criança. Cães farejadores identificaram o local, porém não era possível cavar porque a laje inteira da casa desabou. A estimativa é que o número de mortos aumente ainda mais quando se puder escavar todos os locais soterrados. Pela impressão que deixam as tristes imagens do Baú, este número deve subir bastante.


Relatos de moradores dão conta que os primeiros deslizamentos começaram no sábado, após ouvirem um grande barulho e sentirem o chão tremer. Nem todos saíram de casa a tempo. Os relatos mais dramáticos são de pessoas que contaram ter visto familiares morrerem em sua frente, levados pela enxurrada de lama.

Há o registro de famílias que, com medo de ficar em casa, passaram noites ao relento no meio do mato até serem resgatadas. O Morro do Baú, que antes era conhecido pelas suas belezas naturais, parque ecológico, cachoeiras, quedas d’água e até uma caverna, a partir de agora certamente será sempre lembrado pela tragédia.

Texto Fernando Alécio

Foto Felie Vieira Trojan

Equipe do DIARINHO desce no Baú e relata devastação

A reportagem do DIARINHO voou do aeroporto de Navegantes até o Morro do Baú em um helicóptero H-H1 da Força Aérea Brasileira (FAB), na manhã de ontem. Inicialmente, seria apenas um sobrevôo, mas o pessoal da FAB disse que se houvesse vítimas a serem resgatadas, a reportagem teria que ceder seu lugar e ficar lá, até ser buscada em outro momento.

Não deu outra: ao chegar no Baú, vários moradores locais – inclusive uma idosa em cadeira de rodas – aguardavam ansiosamente a chegada do helicóptero para serem transportadas para algum abrigo disponibilizado pela Defesa Civil de Ilhota. Alguns moradores não continham o sentimento de desolação.

Deste modo, a reportagem ficou no Baú por cerca de uma hora – das 12h30 às 13h30. O cenário era terrível. A Estrada Geral do Baú, endereço das pessoas que lá moravam, já não existe mais. O que há é um mar de lama e entulhos. Para se chegar ao local onde ficava a casa de Isabel, somente através de uma trilha de tábuas improvisada pelas equipes de resgate e os próprios escombros que servem como apoio.

Quem pisa na lama fica atolado até a altura do joelho.Durante o percurso aéreo, de aproximadamente 25 minutos, foi possível observar diversos pontos de desmoronamentos de terra – muitos deles, felizmente, no interior selvagem dos morros, em áreas desabitadas. Além de Ilhota, pôde-se perceber a dimensão da devastação também no município de Luís Alves e no bairro de Escalvados, em Navega.

A imagem que mais choca é justamente a do desmoronamento que atingiu a casa da família Silva no Baú, dada a distância que o turbilhão percorreu e a quantidade de terra que desceu do morro. A casa ficava bem no meio do caminho do deslizamento fatal.Só é possível acessar o Baú por via aérea, uma vez que deslizamentos bloquearam todos os acessos terrestres.

Um campo de futebol serve como pista de pouso para os helicópteros envolvidos nas operações. Ali, as aeronaves entregam remédios e mantimentos e recolhem os moradores que sobreviveram e os corpos dos que não tiveram a mesma sorte. Em terra, trabalham integrantes das forças armadas, da Força de Segurança Nacional, do Corpo de Bombeiros de diversas cidades da região e profissionais da área da saúde.

Além de homens e mulheres, cães farejadores também participam das missões de resgate. São úteis principalmente na localização de cadáveres, já que os corpos estão soterrados e neste caso só com a ajuda destes animais é possível encontrar as vítimas. Dos 12 cães farejadores que foram enviados a Santa Catarina, pelo menos dois tavam na manhã de ontem no Baú. Desde segunda-feira, quando começaram as operações de resgate, mais de 500 pessoas já tinham sido retiradas do Baú e levadas para abrigos no centro de Ilhota.

Os mortos de Ilhota

Até ontem, foram identificados 20 dos 29 corpos de pessoas oficialmente mortas na cidade de Ilhota. Por enquanto, Ilhota é o município com o maior número de mortes registradas, superando Blumenau, que aparece em seguida com 22. A maioria esmagadora dos mortos em Ilhota residia na localidade do Baú.

Adelaide Harbs

Antônio Roberto Richart

Bárbara Cristina Richart

Donilda Seberino

Geane Richart

Joana Maria Anater

João Pedro da Silva Olares

Larissa Schambach

Leandro Amarildo Backman

Luiz Paulo Hostins

Maria Tatiana Hostins

Marinéia Martendal

Marques Sabel

Nelson Gaudino da Silva

Nilma Karl Lana

Nivaldo Karl

Norberto KarlR

odolfo Harbs

Sueli Terezinha Bea

Vitório Bea

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Morumbi recebe doações para SC


Não é porque está a ponto de ser tricampeão brasileiro que o São Paulo Futebol Clube esqueceu de ajudar quem precisa. O Tricolor entrou na campanha para ajudar os desabrigados de Santa Catarina. As doações podem ser feitas até sábado no portão 1 do estádio do Morumbi. No domingo, dia do jogo contra o Fluminense, os portões de acesso ao estádio receberão donativos até o intervalo do jogo.
As doações serão encaminhadas para Santa Catarina através da Granero Transportes, parceira do clube.
A Defesa Civil recomenda cuidados para quem pretende fazer as doações:
- Os alimentos devem estar dentro do prazo de validade e com a embalagem intacta. De preferência, devem ser não-perecíveis;
- Colchões e roupas de cama devem estar em bom estado de conservação, limpos e prontos para utilização;
- Roupas e calçados também devem estar limpos e em condições de uso. Sapatos devem estar amarrados entre si (pé direito com esquerdo) e a numeração deve ser marcada do lado externo com caneta;
- Utensílios domésticos devem estar funcionando e bem conservados.
Fonte: São Paulo Futebol Clube
Por Fernando Alécio

Univali: como mandar donativos

O Pedro Paulo, da Univali, dá mais algumas informações sobre a forma como as empresas (ver apelo feito algumas notas abaixo) interessadas em ajudar o povo de Itajaí por intermédio daquela universidade, podem proceder.

“Com relação ao recebimento é importante que aconteça durante o horário comercial, das 8h às 17h para facilitar o nosso controle e também a segurança dos itens que estiverem chegando.

Envie por e-mail a relação que está sendo enviada e também o nome da transportadora para que possamos ter o devido controle.

O endereço é da UNIVALI – Fundação Universidade do Vale do Itajaí
Rua Uruguai, 458 – Centro – CEP 88302 – 202
CNPJ 84.307.974/0001- 02
INSC 252.920.060

O transporte pode ser realizado pelos CORREIOS sem tarifa – basta informar nas caixas que são DOAÇÕES PARA ENCHENTES EM SANTA CATARINA – URGENTE, é uma campanha Nacional.

Outro transporte seguro e sem custo para o fornecedor é através a TRANSPORTADORA DALCÓQUIO – com os seguintes contatos:
SÃO PAULO: (11) 2596–6900 – Paula/Pedro
CURITIBA: (41) 3544–6321 e (41) 9901–1982 – Monaliza”

Outra coisa: se for enviado para a Defesa Civil de Itajaí também não haverá problema, porque está acontecendo um mutirão de voluntários na organização dos materiais.

Só se certifique se todas as doações serão entregue no Centreenventos da Marejada.

Tragédia em Ilhota

O repórter fotográfico do DIARINHO Felipe Vieira Trojan sobrevoou, na manhã de hoje, a região de Ilhota. A situação é desoladora e o número de mortes, com base nas imagens feitas, deve aumentar e muito. Tristeza!

Camboriú recomeça

Moradores começaram a limpar e reconstruir suas casas. Para isso, as ruas da cidade ficaram cheias de móveis que viraram entulhos. Na rua José Rebelo Cunha, em Camboriú, o cenário era de tristeza na manhã de hoje. Foto Adão Pinheiro

É GOLPE!


Esta é a cara do e-mail que está chegando às caixas postais, vindo de um tal “IMailing”. Todos os links do e-mail levam para um endereço que não é da defesa civil. Trata-se de um golpe daqueles que pegam dados e infectam computadores. Ao receber, deletem sem clicar em nada.


ATUALIZAÇÃO DA SEXTA À TARDE


A Polícia Federal testou os links e descobriu que se trata de uma empresa de marketing por e-mail, de Tijucas, SC. Leva à defesa civil, mas passa pelo domínio da empresa (provavelmente para aumentar o número de acessos e captar mais alguns endereços de e-mail). Não é malicioso no sentido de fazer algum mal ao computador.

Comento este caso aqui.

UNIVALI MONTA “KIT DE RETORNO”

A Univali enviou hoje, para todos os seus fornecedores, uma cartinha fazendo um apelo por doações. Este é o texto que está sendo distribuído:
“Com o aval da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) professores, funcionários e pais de alunos do Campus Itajaí estão colaborando com a comunidade que foi prejudicada pelas fortes chuvas na região.

Desde segunda-feira, 24 de novembro, estão organizados e empenhados no atendimento dos alojamentos onde se encontram pessoas desabrigadas.

A Univali está precisando de doações para continuar este trabalho voluntário e montar os KITS DE RETORNO. Alimentos como farinha de trigo, óleo, feijão, arroz, macarrão, açúcar, água, etc... Material de higiene como: papel higiênico, absorventes, fraldas, sabonete, shampoo, pasta de dente, escova de dente. Sacos plásticos de 100 litros de preferência transparentes e lacres para o devido fechamento dos mesmos. Enfim, todos os produtos necessários para a cesta básica e kit higiene para o retorno dos necessitados aos seus lares que na grande maioria perderam tudo.

Os fornecedores que tiverem a disponibilidade podem entregar no Campus Itajaí, Bloco 23, sala 301, ao lado da pizzaria e lanchonete do Pedro, durante todo o dia, a partir das 8h.

Mais informações: (47) 8406 - 6759 com Pedro Paulo – Departamento de Logística / Compras.”

Ponte do Nova Brasília está interditada

A ponte do Nova Brasília (São Vicente/ Barra do Rio ) foi interditada pela Defesa Civil por apresentar falhas aparentes em sua estrutura. Hoje técnicos vão avaliar a estrutura da ponte para definir se ela será ou não liberada.

Lojistas de Balneário Camboriú e Camboriú oferecem pacote de produtos com preços diferenciados aos atingidos pelas cheias

A Associação Empresarial de Balneário Camboriú e Camboriú (Acibalc) em parceria com a Inteligência Marketing, lançam na próxima segunda-feira, a campanha “Comércio Solidário” para estimular a prática da responsabilidade social entre os lojistas das duas cidades. O objetivo é estimular a venda de produtos de primeira necessidade de uma casa com preços diferenciados para atender as pessoas que foram atingidas pelas cheias nos dois municípios.

A campanha terá a participação do Magazine Luiza, Moveis Rocha, Móveis Berlanda, Móveis Brasília, lojas Colombo, Havan e Koerich. A mobilização de empresas que comercializam produtos como roupeiros, camas, sofás e outros itens do gênero objetiva possibilitar que os atingidos pela enchente que assolou a região reconstruam suas residências com mais facilidade.

Os organizadores da campanha entendem que é fundamental a participação de todos os segmentos da sociedade nessa hora tão difícil para a comunidade. O projeto é eminentemente social, direcionado à sociedade e visa formalizar parceria entre a iniciativa privada para colaborar e auxiliar aos atingidos pelas cheias.

As empresas envolvidas vão trabalhar com redução de preços e, num período pré-determinado a ser definido por cada loja, favorecer a acessibilidade dos atingidos pelas enchentes que perderam grande parte de seus móveis. As empresas participantes da campanha serão identificadas com um selo do Comércio Solidário, que vai ficar em uma área bem visível.

A campanha também prevê a distribuição de folder nas ruas das duas cidades com a lista das lojas que estão envolvidas na promoção, além de divulgação nos meios de comunicação como rádio, jornais e televisão.

Hospital Pequeno Anjo retoma atividades

O Hospital Infantil Pequeno Anjo, de Itajaí, já está atendendo normalmente os casos de emergência e urgência. Apenas as cirurgias não emergenciais marcadas para esta semana, foram canceladas.

O diretor clínico do hospital, José Alfonso Montoya, explica que a razão é a falta de funcionários porque muitos deles ainda não retornaram ao trabalho. “Na segunda-feira devemos voltar a realizar as cirurgias de rotina e as pessoas que têm procedimentos marcados podem comparecer normalmente”, garante.

Preju na rede de ensino

O prejuízo na rede de ensino estadual de Itajaí, por causa da enchente, pode ultrapassar R$ 130 mil. A estimativa é da Secretaria Regional feita a pedido da Defesa Civil. Mais de 22 mil alunos e 500 professores ainda não retornaram às aulas.

Segundo a gerente regional da Educação, Maria Alice Pereira, em seis unidades a chuva danificou computadores, móveis, utensílios, merenda e pintura das paredes. As aulas podem ser retomadas na segunda-feira nas 15 escolas do município, o que representa atraso de uma semana no calendário normal.

"Casas de professores e alunos foram atingidas, Itajaí vivencia uma calamidade", disse a gerente. Ainda não foi definido como serão compensados os dias perdidos. Cinco escolas servem de abrigo às famílias. Em Navegantes, as aulas voltaram ao normal hoje. Nos demais municípios, a rede de ensino funciona normalmente.

Até gasosa e álcool foram pros cornos da lua

Álcool e gasosa também tavam sendo disputados a tapa. Muitos postos não abriram suas portas e as transportadoras não conseguiram repor os estoques. Por isso, o litro do álcool que custava em média R$ 1,60 pulou pra R$ 1,74.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Algenor da Costa, disse que rolou um aumento de 2% a 4% no sábado. "Por causa da crise de crédito, quando os bancos aumentaram os juros, os usineiros venderam o que tinham e seguraram o produto pra forçar a alta, que acabou repercutindo, também, no preço da gasolina", explicou.

Ministério Público admite a existência da sacanagem do aumento de preços

As denúncias de que comerciantes estariam se aproveitando da desgraceira das enchentes e aumentando o preço das mercadorias além da conta já chegou aos promotres de justiça. Em nota oficial, o Centro de Apoio Operacional de Defesa ao Consumidor do Ministério Público de Santa Catarina alertou que a sacanagem tá rolando e que é crime previsto em lei. Além de multa, a calhordice pode dar uma cana de até cinco anos.

De acordo com a nota, os comerciantes sacanas estariam atacando, principalmente, no preço da água mineral, dos alimentos e dos combustíveis.

O aumento de preços pode até rolar. Mas tem que ter justificativa.É permitido, por exemplo, quando o comerciante precisa pagar um frete mais caro para receber o produto por contas de estradas bloqueadas. Agora, segurar uma mercadoria que comprou antes da enchente e ficar vendendo acima do preço é crime.

Limitar a venda dos produtos por cliente, pódi! Em alguns casos é até necessário para evitar que algum sacana faça estoques pessoais e contribua para o desabastecimento. As denúncias podem ser feitas através do e-mail cco@mp.sc.gov.br.

Tem comerciante se aproveitando da desgraceira e aumentando os preços

Várias denúncias de abusos de preços rolaram ontem no Itajaí, principalmente nos da água mineral, pão e gás de cozinha, que custa R$ 32 em média, e tinha safado cobrando R$ 60.

O biólogo Marcus Poletti conta que ficou indignado quando sua mulher foi comprar água em Cabeçudas e pagou 20 reales por um galão. Um real por litro. O preço normal varia entre R$ 3,50 e R$ 7. "Outro abuso foi no posto Fazendão, que aumentou o preço do pãozinho de R$ 4,99 o quilo pra R$ 7,48", denuncia.


Marcus dá a dica pra quem passar por uma situação dessa. "Peça sempre a nota fiscal, só assim a gente pode levar à Procon e até ir pra justiça", recomendou.


O chefão da Procon, Dier Ricardo Dobrachinsky, disse que ainda não recebeu muitas denúncias, mas depois que as coisas voltarem ao normal, quem se sentir lesado deve levar a nota fiscal ou registrar o caso na depê.


"A lei 1137 contra a ordem econômica prevê multa de R$ 300 a R$ 3 milhões para os comerciantes, dependendo da vantagem, do porte da empresa, da gravidade e se é reincidente", esclareceu. A pessoa que não conseguiu a nota fiscal pode fazer a denúncia na Receita Estadual.

Comida começa a faltar em Itajaí

O pânico tomou conta da população itajaiense, que saiu da toca ao ver as águas baixarem e correu aos supermercados pra encher a despensa. Já é difícil achar vários itens como água mineral, leite, pão, trigo, além de frutas e verduras, tanto nos supermercados como nos mercadinhos. Além da forte procura, outro problema são os produtos que não conseguem chegar porque vêm de cidades ilhadas pela queda de barreiras.


"Eu nunca vendi tanto como de segunda-feira pra cá. Se eu tivesse 300 bombonas de água por dia, eu vendia", disse Luciano Popper, da Casa Panini, na Caninana, bairro São João. Por lá, o normal é vender 50 bombonas.


Luciano também teve que ir a Brusque comprar 50 caixas de leite, que acabaram em apenas 48 horas. Por lá, já é difícil achar frutas, verduras, laticínios e macarrão. O comerciante, que mora no Rio Bonito, também foi atingido.


Na rua José Pereira Liberato, perto do clube Tiradentes, o clima era tenso. Os mercados Enoara e Mini Mercado do Povo, um em frente ao outro, pediram proteção policial pra abrir as portas por causa dos saques. "Ontem, um grupo passou por aqui e disse que seríamos o próximo", conta a caixa. No setor de frutas, só tinha banana. "E tu não vais acreditar! O que a gente mais vendeu foi cerveja!", revela.


Eduardo Vilson, 30 anos, e o tipógrafo Alberto Bento da Silva tavam lá comprando material de limpeza. Ambos moram na rua ao lado da ponte que liga o São João ao São Viça. De suas moradas, não sobrou nada, só disposição pra começar de novo. "Minha gráfica também foi atingida, mas tem jeito? Vamos voltar lá e botar tudo de pé de novo", declarou.


No Mini Mercado do Povo, Oberdan Pezzini tomava conta da porta. Ele mora em cima e dava uma força ao amigo Hernani da Barossi pra evitar a aglomeração, já que acompanhou o drama de camarote. "Fiz imagens que mais pareciam filme de catástrofe, da turba andando pra lá e pra cá com carrinho e até prateleiras do Maxx nas costas", contou.

No mercadinho, só pode levar um galão de água e seis caixas de leite por pessoa e já tá faltando até sacolinhas. No Mini Preço Corujão, da rua Indaial, fica claro o desabestecimento na cidade. Várias prateleiras estão vazias.

Quase quatro mil caminhões tão parados na BR-101

Os caminhoneiros que mofam no trecho Sul da BR-101, na região de Palhoça, tão ansiosos pra parar de jogar truco ou ficar roncando dentro dos seus caminhões pra finalmente seguir viagem. Eles estão parados desde sábado, próximos ao km 235 da rodovia, no Morro dos Cavalos, onde caiu uma barreira com cerca de 100 metros de extensão e uma puta rocha de duas mil toneladas.

Segundo os abobrões do Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes (DNIT), a expectativa é liberar pelo menos meia pista até sábado.


Cerca de 30 mil veículos trafegam diariamente pelo local e há uma renca de caminhões parados. Leonardo de Carvalho, diretor administrativo da Federação das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de Santa Catarina (Fetrancesc), informou que são 3800 brutus com os motores desligados na região do Morro do Cavalo. São cerca de 2000 no sentido Norte-Sul e 1800 no Sul-Norte.

O diretor administrativo afirmou não ter como mensurar os prejuízos agora. "São cargas variadas. Depende do contrato, da carga, se houve perda ou não. Não tem como medir. Mas é uma quantia vultosa", disse. Segundo ele, a Fetrancesc tem fornecido cestas básicas e água pros caminhoneiros que estão parados, muitos com a família. Há também relatos de assaltos a caminhoneiros parados, o que obrigou a polícia militar a fazer rondas pra inibir a ação dos bandidos.

Não será nada fácil o pessoal do DNIT liberar a rodovia. Há pelo menos 15 mil metros cúbicos de terra no local. Pra se ter uma idéia, uma caçamba comporta 10 metros cúbicos. Pra piorar, a pedra gigante que ocupa as duas pistas da 101 será explodida, o que pode ocasionar novo deslizamento. E como filho de pobre não tem sorte, se as chuvas continuarem o tempo pra liberar a rodovia deve aumentar ainda mais.


Pros carros existe um caminho na Enseada de Brito, que contorna a barreira. O desvio é tão cagado que tiveram que espalhar cascalho na estrada pra alguém conseguir passar. As filas chegavam a 1,5 km.

Uma das maiores empresas de transportes do país, a peixeira Transportes Dalçoquio, tá usando um caminho alternativo pra não deixar seus veículos sem rodar. Foi o que informou ontem o diretor operacional Emílio Dalçoquio. "Estamos usando a BR-116 e não temos caminhões da Dalçoquio parados. Transferimos toda a frota e ainda não há como precisar se haverá algum prejuízo", destacou.

Fiesc abre conta pra recolher ajuda

A Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC) lançou em nível nacional uma campanha para arrecadar recursos para dar apoio às vítimas das chuvas em Santa Catarina. O objetivo é apertar ricaços e empresas de todo país para que tirem a mão do bolso e ajudem os atingidos pelas enchentes em terras barrigas-verdes.

Quem quiser ajudar pode depositar na conta intitulada "FIESC Solidariedade SC", que é do Banco do Brasil, agência 3425-8 e conta corrente 21.000-5. O CNPJ da FIESC é 83.873.877/0001-14.

O Sistema FIESC também está recebendo donativos como alimentos não-perecíveis, roupas e artigos de higiene pessoal. As doações podem ser entregues nas Farmácias do SESI/SC, espalhadas pelo estado. As doações serão repassadas às unidades da defesa civil de cada município.

Denísio saiu do ar por problemas técnicos

O sumiço do baixinho Denísio dos televisores peixeiros ganhou duas versões diferentes ontem. Primeiro, o próprio apresentador disse, à tarde, que tinha sido tirado do ar a pedido de uma promotora mas, à noite, afirmou que um problema técnico tinha avacalhado com a programação da Brasil Esperança.

No começo da tarde, Denísio disse que a promotora Cristina da Motta foi quem pediu ao pessoal da TV Brasil Esperança pra que o trabalho de arrecadação de donativos, comandado pelo apresentador de cima do Morro da Cruz, fosse interrompido. De acordo com o próprio Denísio, que teria recebido a ordem, a promotora estaria atendendo a um comando da procuradoria geral do Estado, que determinou que o único ponto de arrecadação de donativos em Itajaí fosse o parque da Marejada.

À noite, quando a Brasil Esperança já tinha voltado à ativa, Denísio contou uma história diferente. A promotora teria ido ao Morro da Cruz pra orientar o pessoal a centralizar a arrecadação de donativos no parque da Marejada. Na segunda versão da história, na mesma hora em que a promotora dava as orientações, a emissora teria tido um problema técnico que impediu a transmissão a partir do morro. Com a volta da luz no São Vicente, a Brasil Esperança voltou ao ar, transmitindo diretamente de sua sede.

Desde que a chuvarada tomou conta de Itajaí, a TV Brasil Esperança não pôde mais transmitir de sua sede e a solução foi subir o Morro da Cruz pra continuar o trampo. Denísio e sua trupe tavam dando o maior Ibope e a galera tava indo pro morro levar ajuda pros necessitados até que a transmissão foi interrompida sem qualquer explicação.

Luiz Alves isolado do mundo

Segundo a Defesa Civil Estadual o município de Luis Alves continua sem comunicação. Uma equipe de rádio amador de Joinville instalará uma base de operações na manhã desta quinta-feira no município para restabelecer a comunicação na cidade.

O grupo chegará a Luis Alves por meio de um helicóptero.O município catarinense está entre os sete isolados e até o momento contabiliza sete óbitos, 300 desabrigados e 500 desalojados.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Aula no IFES volta na segunda-feira

O Instituto Fayal de Ensino Superior (IFES), de Itajaí, informa que as aulas voltarão a funcionar normalmente a partir da próxima segunda-feira. O calendário das atividades da Instituição será reformulado e repassado aos alunos, com nova programação de final de ano.

O vestibular de Verão do IFES, que estava programado para acontecer no dia 30 de novembro, foi cancelado e até a próxima terça-feira, dia 2, será informada nova data para sua realização. Com isso, ainda há oportunidade para se inscrever para o vestibular, na secretaria do IFES a partir de segunda, dia 1º de dezembro.

O site da instituição – www.ifes.com.br - voltará a funcionar a partir de amanhã, 27 de novembro com maiores informações para os alunos, vestibulando e comunidade em geral.

Para a população que tenta voltar às suas casas, vale o alerta:

A Defesa Civil e os órgãos de saúde de toda região recomendam que as pessoas voltem para suas residências somente quando a água já estiver escoado completamente da localidade. Nos alojamentos, os voluntários e coordenadores vão adquirindo, aos poucos, informações sobre os pontos de alagamento que já voltam ao normal — mas, mesmo assim, pedem aos desabrigados que aguardem mais alguns dias, até que a situação de tráfego em determinadas avenidas dos bairros de Itajaí se restabeleça completamente e não haja, também, perigo de saúde para essas pessoas. Apesar do sentimento de perda e preocupação constante com suas casas, manter a calma é a melhor saída.

Vale lembrar que em regiões dos bairros Carvalho, São Vicente, Itaipava, Cordeiros, Dom Bosco, Cidade Nova e no interior da cidade, a água que atingiu níveis altos está baixando de maneira bastante lenta.

Caso as famílias já estejam à caminho de suas residências e tenham que enfrentar caminhadas nas ruas ainda cheias de água, a grande preocupação é com a contaminação por doenças como a leptospirose, a hepatite e o tétano. Por isso, ressaltamos a importância de proteger pés e pernas com botas ou camadas de sacos plásticos para amenizar este contato com a água da enchente. Se alguém estiver com ferimentos, o indicado é não caminhar nestes locais, para evitar maiores problemas.

Durante a limpeza de suas residências, providenciar água sanitária para ser misturada à água na lavação dos cômodos da casa. Assim como lavar com água sanitária os reservatórios (caixas d’água) e todos os utensílios de cozinha e banheiro atingidos pela cheia. O produto ajuda a tirar os resíduos que podem gerar danos à saúde.

Outro cuidado essencial é no consumo de alimentos: não ingerir qualquer tipo de comida que ficou submersa, inclusive enlatados ou alimentos armazenados em embalagens plásticas. Seis pontos em Itajaí servem de base para a distribuição de alimentos básicos para quem não tem condições de comprá-los.

(Dica extraída do blog dos desabrigados)

Tadinho...

Foto Leitor

Flagras no Itajaí
















Foto Eduardo Gomes

O C-105 Amazonas em Navegantes


No desastre que Santa Catarina enfrenta, tem sido de fundamental importância a participação da Força Aérea Brasileira (FAB). Diariamente, aviões da FAB fazem o transporte de alimentos, medicamentos e materiais de limpeza da base aérea de Canoas (RS) até o aeroporto de Navegantes.


Neste trabalho, se destaca a aeronave C-105 Amazonas (modelo C-295), fabricada na Espanha e adquirida pela FAB em 2006. Trata-se de um avião bimotor da família dos aviões de transporte tático. Ele pode transportar grande quantidade de tropa, mercadorias, materiais e veículos.


Os aviões do modelo C-295 foram desenvolvidos para operar em pistas curtas e em condições adversas. Apenas 25 destas aeronaves estão em operação no mundo atualmente. Outros países que as possuem, além do Brasil, são Espanha, Polônia, Jordânia, Argélia e Portugal.


Do aeroporto dengo-dengo, os mantimentos são levados para as cidades afetadas por meio de helicópteros. Na foto, a aeronave C-105 Amazonas em operação no aeroporto de Navegantes na tarde desta quarta-feira, pouco antes de mais uma viagem ao Rio Grande do Sul.
Por Fernando Alécio

Nova Brasília

O leitor da Nova Brasília flagrou a situação que ficou a ponte da localidade logo após a enchente.

Haja estômago


A frente do supermercado Maxxi virou a maior nojeirada. Comida, água da enchente e lixo ficaram lado-a-lado na rua. Isso não afastou o povo, que decidiu dar uma fuçada pra ver se encontrava alguma coisa pra levar pra casa. Foto Felipe VT

Kiwi Bar coloca poço artesiano à disposição dos atingidos

O Kiwi Bar colocou à disposição da Defesa Civil e da população o poço artesiano existente no balança-teta. Os interessados devem ir até o local, no Canto do Morcego, na Praia Brava.

O melhor caminho para se chegar ao Kiwi Bar é pela Praia de Cabeçudas. O funcionário Neri está coordenando a distribuição da água potável. Ele pode ser contatado pelo telefone celular (47) 8415-3526.

Se liga

Ferri-bote e balsa
O ferri-bote que faz a travessia entre Itajaí e Navegantes, no centro peixeiro, está funcionando normalmente. Três embarcações fazem a travessia entre as duas cidades.

A balsa da Barra do Rio, que faz a travessia entre o bairro São Domingos, em Navega, e Barra do Rio, em Itajaí, ainda tá com suas atividades suspensas. O pessoal da Navegação Santa Catarina acredita que hoje a correnteza do rio Itajaí-açú deve diminuir e ela volte a operar. O telefone para mais informações 47 3319-3234.

Transporte coletivo
O transporte coletivo de Itajaí continua caótico. Apenas seis linhas voltaram a funcionar na cidade. São elas: Fazenda/Praia Brava; Fazenda/Abdón Fões/Costa Cavalcante; Fazenda/Odílio Garcia/ Costa Cavalcante; Odílio Garcia, mas sem entrar no Imaruí; Cordeiros/Votorantin/Jardim Esperança – sem entrar no Jardim Esperança; Pedra de Amolar/Salseiros.

A empresa espera a água baixar no restante da cidade pra colocar mais linhas à disposição da população. Dúvidas sobre a circulação de busões podem ser esclarecidas no 47 3348-8400.

Transporte interestadual
O Terminal Rodoviário Internacional (TERRI) não tá funcionando. O local foi inundado pelas águas da enchente e até hoje não tá operando. A administração acredita que serão necessários mais dois dias pra realizar a limpeza do local. O pessoal também espera o retorno de energia. Mais informações no 47 3241-6500.

Hospital Marieta
O hospital Marieta Konder Bornhausen continua atendendo apenas casos de emergências. O acesso ao hospital já foi liberado, mas como muitos funcionários tiveram as casas atingidas não foram trabalhar ainda. A direção acredita que até o final de semana o atendimento seja normalizado.

Hospital Santa Inês
O hospital Santa Inês tá com 32 internos e ainda não tem previsão pra voltar a operar normalmente. Um engenheiro tá analisando a estrutura danificada e deve fornecer um laudo nos próximos dias. Todas as cirurgias que não são de emergência continuam suspensas.

Aeroportos
O aeroporto internacional de Navegantes e o aeroporto de Joinville operam normalmente.

Shoppis
O Itajaí Shopping só volta a funcionar na segunda-feira. O local sofreu com as cheias. No momento, o estacionamento coberto ainda está cheio de água, mas lojas do primeiro e segundo piso não foram atingidas. Mais informações no 47 3348 4609. O Balneário Camboriú Shopping voltou a atender o público normalmente na terça-feira. O horário de funcionamento é das 11h e 23h.

BR 101
Em Garuva, km 13 da BR 101, condições normalizadas com desvio convergindo os dois sentidos numa via de mão simples.

Em Balneário, queda de barreira, trânsito em uma pista.

Em Palhoça, no Km 235 – Morro dos Cavalos - pista interditada desde a noite do dia 22. No desvio em Enseada do Brito no km 232 saindo no km 235 – somente para automóveis.

BR 470
Em Navegantes, no km 14,9 da BR 470, trânsito em meia pista - queda de barreira.

Em Gaspar, no KM 30 um enorme buraco na pista desviou o trânsito para o acostamento.
Gaspar, no Km 41 e 44 da BR 470, interdição total por conta de um desmoronamento. Trânsito somente pelo acostamento. Km 45 trânsito em meia pistao devido queda de barreira. KM 46 e 47 interdição total e não há opção de desvio.

Em Blumenau, no Km 51, 63 e 87, pista cedeu e trânsito em meia pista.