quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Quase quatro mil caminhões tão parados na BR-101

Os caminhoneiros que mofam no trecho Sul da BR-101, na região de Palhoça, tão ansiosos pra parar de jogar truco ou ficar roncando dentro dos seus caminhões pra finalmente seguir viagem. Eles estão parados desde sábado, próximos ao km 235 da rodovia, no Morro dos Cavalos, onde caiu uma barreira com cerca de 100 metros de extensão e uma puta rocha de duas mil toneladas.

Segundo os abobrões do Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes (DNIT), a expectativa é liberar pelo menos meia pista até sábado.


Cerca de 30 mil veículos trafegam diariamente pelo local e há uma renca de caminhões parados. Leonardo de Carvalho, diretor administrativo da Federação das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de Santa Catarina (Fetrancesc), informou que são 3800 brutus com os motores desligados na região do Morro do Cavalo. São cerca de 2000 no sentido Norte-Sul e 1800 no Sul-Norte.

O diretor administrativo afirmou não ter como mensurar os prejuízos agora. "São cargas variadas. Depende do contrato, da carga, se houve perda ou não. Não tem como medir. Mas é uma quantia vultosa", disse. Segundo ele, a Fetrancesc tem fornecido cestas básicas e água pros caminhoneiros que estão parados, muitos com a família. Há também relatos de assaltos a caminhoneiros parados, o que obrigou a polícia militar a fazer rondas pra inibir a ação dos bandidos.

Não será nada fácil o pessoal do DNIT liberar a rodovia. Há pelo menos 15 mil metros cúbicos de terra no local. Pra se ter uma idéia, uma caçamba comporta 10 metros cúbicos. Pra piorar, a pedra gigante que ocupa as duas pistas da 101 será explodida, o que pode ocasionar novo deslizamento. E como filho de pobre não tem sorte, se as chuvas continuarem o tempo pra liberar a rodovia deve aumentar ainda mais.


Pros carros existe um caminho na Enseada de Brito, que contorna a barreira. O desvio é tão cagado que tiveram que espalhar cascalho na estrada pra alguém conseguir passar. As filas chegavam a 1,5 km.

Uma das maiores empresas de transportes do país, a peixeira Transportes Dalçoquio, tá usando um caminho alternativo pra não deixar seus veículos sem rodar. Foi o que informou ontem o diretor operacional Emílio Dalçoquio. "Estamos usando a BR-116 e não temos caminhões da Dalçoquio parados. Transferimos toda a frota e ainda não há como precisar se haverá algum prejuízo", destacou.

Um comentário:

Daniel disse...

Huahuahu. Abobrões é muito boa. E a primeira frase também arranca gargalhadas. Agora, brincadeiras a parte, ficar mofando na BR não é nada bom. Sorte a todos