segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Penha e Piçarras


Duas casas destruídas por desmoronamentos de terras, seis pessoas feridas, duas quedas de barreiras e aproximadamente 160 famílias desalojadas de suas casas. Este era o saldo das enchentes até o comecinho da noite de ontem entre Penha e Piçarras.

O Parque Beto Carrero disponibilizou quatro veículos e um helicótero para ajudar nos resgates. No entanto, pelo mau tempo, a aeronave não conseguiu alçar vôo. A Casan suspendeu o fornecimento de água nas duas cidades.

Em Penha

Uma das casas atingidas pelo desbarrancamento de um morro ficava na localidade de Quati, interior de Penha. Dois adultos e duas crianças sofreram ferimentos leves. O desmoronamento aconteceu por volta das 14h.

A região do Morro do Bugre, em Santa Lídia, foi uma das mais atingidas da cidade. Os bombeiros voluntários improvisaram uma embarcação usando uma caixa d´água de fibra para resgatar as famílias. As cheias também apavoraram os moradores de Gravatá, Morro do Ouro e Mariscal.

O morro da Prainha de São Miguel desmoronou. Toda a pista ficou interditada das 23h de sábado até o final da tarde de domingo. A rodovia Transbeto ficou parcialmente interdidata devido à queda de uma barreira próximo ao viaduto da entrada da Santa Lídia.

A violência da água levantou parte do asfalto da avenida Timóteo Flores e arrastou o muro de uma residência no final do beco José Maria Celista, no Gravatá.

Ao todo, segundo o comandante dos bombeiros voluntários, em Penha 120 famílias foram retiradas de suas casas e levadas para o Colégio Estadual Rubens João de Souza.

Em Piçarras

Nas Piçarras a região mais atingida foi o Rio Furado. As águas dos rio Piçarras e Furado subiram além do limite comum. Lá, um barreiro desabou sobre outra residência. Os bombeiros voluntários precisaram resgatar duas crianças. “Mas elas sofreram apenas escoriações leves”, informou Jhony Coelho, comandante dos bombeiros. Os pais das crianças nada sofreram.

Em Piçarras, o número de famílias desabrigadas chegava a 40, até o início da noite.

Padre não alojou desabrigados


O padre Pilotto, pároco da igreja católica da cidade, teria se recusado a ceder o salão paroquial do centro, de acordo com Johny Coelho. No início da noite de ontem, o DIARINHO tentou contato com o padre, mas ele não pode atender a reportagem porque estaria rezando uma missa, segundo Vera Lúcia, funcionária da Paróquia.

3 comentários:

GIOVANI J.B disse...

isso so pode ser piada do padre, deve ta rezando pouco esse não é do senhor!

yeyeah disse...

Sinceramente este padre é uma piada.
Não dá pra acreditar numa coisa dessas.
A igreja que deveria ser uma das principais colaboradoras e apoiadoras neste momento.
É ridiculo alguém pregar num altar que a igreja é a casa de Deus, que é aberta a todos, e no momento em que o povo mais precisa, ele dar as costas. Este padre deveria ser punido por uma coisa destas.
Isso é um crime!

Quem quizer colaborar, segue abaixo alguns pontos de coleta:

Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, nos seguintes endereços:

Balneário Piçarras:

Avenida Emanuel Pinto, 913. Centro (ao lado do Macosaca)

Penha (Armação): Avenida Eugênio Krause, 3430. (próximo ao Hotel Conexão)

Barra Velha: Rua Miranda Coutinho, 83. Centro. (Igreja Apóstolo Pedro)

Além destes pontos, as doações podem ser encaminhadas diretamente aos seguintes abrigos improvisados:

Escola CIEF(Piçarras): Próximo a ponte de divisa entre Piçarras e Penha, ao lado da Recicle.

Sociedade Amigos de Penha (SAP): Em frente ao Super Zoni e ao Materiais de Construção Hebbe.

yeyeah disse...

Apenas complementando...

Maiores informações sobre locais de doações podem ser obtidas junto a Paroquia da Igreja Evangélica Luterana de Piçarras no telefone
(47) 3345-0192

Rádio Pérola FM no telefone (47) 3345-8865

Lembro que as doações visam principalmente atender a demanda principalmente dos municípios de abrangência da paroquia, mas que os mantimentos na medida do possível serão também enviados para outras cidades da região conforme necessidade.